quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Meu TCC

Minha apresentação foi assim:




Na peça A Tempestade, de 1611, de William Shakespeare, um dos personagens exclama: "Oh, maravilha! Que adoráveis criaturas aqui estão! Como é belo o gênero humano! Oh, admirável mundo novo, que possui gente assim!". E foi dessa peça que Huxley tirou o nome pro seu livro mais famoso.



Aldous Huxley nasceu em 1894 -quase no século XX- na Inglaterra.
Aos 16 anos teve sua visão reduzida à um décimo do normal por causa de uma doença na retina. Aprendeu braile pra concluir os estudos; recuperou parcialmente a visão, mas não pôde servir o exército na Primeira Guerra Mundial nem realizar o seu sonho de cursar Medicina, mas se formou em Inglês pela Universidade de Oxford.
Morou por um tempo na França e foi lá que, em apenas quatro meses, escreveu sua obra prima, Admirável Mundo Novo. Se mudou para os Estados Unidos onde passou a escrever roteiros para o cinema, sendo um dos roteiristas mais bem pagos na época. Viajou pela América Central e do Sul, conheceu os índios do Xingu e as favelas do Rio de Janeiro.
Faleceu nos Estados Unidos, em 1963, aos 69 anos.



A história de passa em 632 depos de Ford, portando, aproximadamente no ano de 2.500.



No livro, Henry Ford é adoraco como um deus. Foi Ford quem criou o sistema de montagem em série de automóveis, e é assim que são fabricadas as pessoas no livro. Não existem mães nem pais, a reprodução vivípara é imoral e todos são produzidos em labório, podendo produzir até 96 gêmeos idênticos através de clonagem.



Nesse novo mundo as pessoas são divididas em castas, e elas são pré determinadas a agir de acordo com cada casta, como se fossem robôs programados e aprendem tudo durante o sono.
E Huxley usa a ideia de clonagem no seu livro mas o primeiro mamífero só foi clonado em 1996, mais de 60 anos depois da publicação de Admirável Mundo Novo.



Como a reprodução vivípara é proibida e o sexo é estimulado, as mulheres tomam comprimidos diariamente para evitar a gravidez.



Mas os anticoncepcionais só começaram a ser comercializados em 1960, quase trinta anos após Huxley ter citado o medicamento em seu livro.
Nesse novo mundo, as pessoas nunca ficam tristes, não sentem angústia nem dor.



Pois todos tomam o soma, que é um medicamento que livra as pessoas de todo tipo de mal, incondicionalmente. "O soma tem todas as vantagens do álcool e da religião, sem nenhum dos seus inconvenientes".



Os antidepressivos também aparecem primeiro no livro e só começaram a ser comercializados quase duas décadas depois.
O uso que as pessoas fazem hoje dos antidepressivos se aproxima muito do uso do soma no livro de Huxley, pois hoje o uso desse tipo de medicamento se tornou banalizado. Tomar Prozac virou "coisa normal".

Esse novo mundo é altamente tecnológico, programado e asséptico, mas há algumas regiões que não foram civilizadas, e se tornaram "reservas de selvagens", onde as pessoas ainda vivem do modo primitivo. Esse modo primitivo é exatamente como vivia a sociedade da década de 30 e como nós vivemos hoje: vivendo em família, tendo uma religião, aprendendo em escolas, e não durante o sono, transmitindo valores de geração em geração, etc. Esse foi um recurso que Huxley usou para mostrar a diferença da sociedade da época em que ele escreveu o livro e sociedade do futuro que ele imaginou.
Dois jovens do novo mundo viajam a uma dessas reservas e conhecem John, que é filho de uma mulher civilizada que engravidou por descuido e se perdeu nessa reserva, tendo então cirado seu filho nessa aldeia, passando a ele seus costumes e seus valores. John cresce aprendendo tanto os valores passados por sua mãe como os valores da aldeia, mas ele não era aceito pelos nativos da aldeia por causa dos hábitos de sua mãe. Ele se esforçava muito para pertencer a esse lugar, mas não conseguia ser aceito.
Os jovens do novo mundo resolvem levar o Selvagem para a civilização, com o entuito de estudar seus hábitos. Chegando lá, John não consegue conceber os valores das pessoas civilizadas, pois são muito diferentes dos seus próprios. Quando lhe passam pela cabeça pensamentos que ele julga impróprios, num ritual de purificação ele dá chibatadas nas próprias costas. Esse é um hábito que causa furor entre os civilizados, pois cheios de soma, eles não compreendem como alguém pode causar dor em si mesmo e todos querem conhecer de perto os hábitos do Selvagem. John não suporta viver nesse mundo e foge para viver sozinho num local isolado. Quando as pessoas descobrem onde ele está, mais uma vez invadem a sua privacidade.
John só conhecia dois mundos, e ele não pertencia a nenhum deles. Ele então se livra de ambos, acabando com a própria vida numa forca.



E esse é o livro mais importante de Huxley.



Huxley foi tão influente principalmente por ter se mantido tão atual por mais de setenta anos depois da publicação do livro.
Questões do comportamento humano, clonagem, controle de natalidade são assuntos que fazem parte da nossa realidade hoje.

Huxley foi influente na literatura:



O livro Admirável Brasil Novo, de Ruy Tapioca, faz referência à Huxley no título de seu livro. Também usa a ideia de Huxley quanto a comparar presente e futuro da sociedade, uma vez que o livro do autor brasileiro faz a ponte entre a sociedade que somos e a sociedade em que podemos nos transformar.



O autor Alberto Villas faz referência à Huxley no título de seu livro, Admirável Mundo Velho!. O livro é uma coletânea sobre gírias antigas que caíram em desuso com o passar do tempo.

Huxley também exerceu influência no cinema:



No filme O Homem Sem Sombra, um grupo de cientistas descobre uma substância injetável que deixa as pessoas invisíveis. Quando um homem se torna invisível depois de um teste, um dos personagens exclama "É o admirável mundo novo!", querendo dizer que a ciência evoluiu e que o futuro chegou, uma vez que o livro de Huxley se passa no futuro.



No filme O Demolidor, a referência ao livro de Huxley se encontra na organização da sociedade: todos vivem com restrições sociais. Há o comportamento que é esperado e o que é proibido.
A personagem principal, interpretada por Sandra Bullock se chama Lenina Huxley. Lenina é o nome da personagem principal de Admirável Mundo Novo, e eles usaram o nome da persongem principal do livro com o sobrenome do autor.

Huxley também foi muito influente na música:



Na música Admirável Gado Novo, do Zé Ramalho, além da referência no título da música também é possível perceber raferência em alguns trechos: "Vocês que fazem parte dessa massa/ que passa nos projetos do futuro", faz referência ao futuro em que se passa o livro de Huxley. "Vida de gado/ povo marcado/ povo feliz!", se refere à divisão das pessoas em castas, como se fossem gado marcado, e também faz referência ao soma, pois todos são felizes, independentemente do que aconteça ao seu redor. "Contemplam essa vida numa cela", a cela pode ser interpretada como esse sistema pré determinado de todas as pessoas agirem.



Na música Admirável Chip Novo, da Pitty, também há clara referência no título e em alguns versos da música: "Mas lá vem eles novamente/ e eu sei o que vão fazer:/ Reinstalar o sistema./ Pense, fale, compre, beba/ Leia, vote, não se esqueça/ Use, seja, ouça, diga/ Tenha, more, gaste e viva", o trecho se refera à maneira pré determinada com que as pessoas no livro agem, como robôs programados, e também se refere ao consumismo, muito estimulado na obra.


A música Brave New World, da banda inglesa Iron Maiden usa o título original do livro em inglês, e também faz referência à obra em algumas passagens: "Amor materno não existe mais/ Leve esse selvagem de volta pra casa", o trecho de refere à não mais existirem mães, na obra de Huxley, e ao sentimento do Selvagem de não pertencer àquele mundo. "Você é planejado/ E está condenado/ Neste admirável mundo novo", mais uma vez se faz referência ao modo condicionado e pré determinado das pessoas agirem. "Desnorteadora casa de medo/ Ela não faz sentido algum", aqui mais uma vez é ressaltado o sentimendo do Selvagem de estranheza perante esse novo mundo.



A música Soma, da banda The Strokes, faz referência explícita no título, e descreve passagens do livro em alguns versos. "Soma é o que eles poderiam tomar/ Quando tempos difíceis abriram seus olhos/ Dor suave de um novo jeito", esse trecho faz referência ao uso do soma, que livra as pessoas das tristezas e angústias. "De alguma forma ele estaa tentando muito ser como eles", se refere ao desejo do Selvagem de pertencer à aldeia e ao desejo de conhecer o mundo de onde veio a sua mãe. "Eu tentei isso uma vez e eles gostaram/ E eu tentei esconder isso", faz referência à passagem onde o Selvagem dá chibatadas em si mesmo, e isso desperta a curiosidade das pessoas, então ele foge para se isolar.



Depois de ler e analisar Admirável Mundo Novo e pesquisar e analisar as influências que ele exerceu em mídias tão diferentes, fica claro que este livro foi muito importante em diferentes aspectos da cultura atual, e pelas ideias que contém o livro, muito provavelmente ele ainda continue sendo muito inflluente. Depois de conhecer a tragetória de Huxley na Literatura, ficamos muito gratos por não o termos perdido para a Medicina.

E esse foi o meu TCC.
Ainda não tenho a nota. Que agonia!

Um comentário:

Marcelo Mantovani disse...

Olá, boa noite!
Achei muito interessante seu TCC. Sou acadêmico de letras e estou trabalhando em cima do livro 1984 de George Orwell.
Poderia ler a íntegra de sua monografia?

Grato.